Como garantir proteção para aplicações em cloud?

Quando o assunto é segurança digital, é importante nunca baixar a guarda. Saiba: é um dever do setor de TI garantir proteção para aplicações em cloud. Afinal de contas, mesmo que elas sejam bastante seguras do ponto de vista técnico, o fator humano sempre entra como um risco que deve ser levado em conta.

Apesar de toda a praticidade oferecida pela nuvem, a segurança precisa ser foco constante do time de tecnologia a fim de evitar que acessos não autorizados causem danos às informações da empresa ou descubram dados confidenciais valiosos.

Quer saber como exatamente é possível garantir a segurança de aplicações da nuvem? Então confira nosso post de hoje!

Comece traçando um bom planejamento

Qualquer boa estratégia de segurança digital deve começar com um planejamento cuidadoso. Para isso, antes de mais nada, mapeie quais são os principais riscos para os aplicativos na nuvem. Só assim você conseguirá combater essas ameaças com ações preventivas.

Já conhecendo os perigos mais alarmantes, é hora de elaborar formas de minimizar as chances de que esses tipos de ataques sejam efetivos. Aí podem entrar, por exemplo, reforços no controle de acesso e treinamentos para o time não cair em golpes de phishing.

Independentemente do que decidir, não se esqueça de determinar detalhadamente as responsabilidades do time de TI em relação à segurança digital, bem como de criar rotinas baseadas no planejamento para que nada seja deixado para trás.

Elabore uma política de segurança da informação

A etapa seguinte para garantir a proteção das aplicações em cloud é estabelecer uma política de segurança baseada em regras que deverão ser seguidas por todos os usuários. Isso inclui desde evitar clicar em links suspeitos a jamais passar informações ou dados de acesso para pessoas fora do serviço. Mas não para por aí!

É preciso lembrar que o elemento humano é sempre o mais perigoso e incerto no âmbito da segurança digital. Logo, definitivamente vale a pena investir em treinamentos para todos os colaboradores e sempre reforçar a política de segurança da informação para evitar qualquer falha.

Invista no sistema de controle de acesso

O principal risco para uma aplicação em cloud é que, geralmente, qualquer um que tem as credenciais de acesso para o sistema consegue fazê-lo remotamente. Só que isso está diretamente relacionado a uma das principais qualidades da nuvem: o acesso facilitado e prático proporcionado aos usuários, estejam eles onde estiverem.

Aqui, portanto, um sistema de controle de acesso precisa ser inteligente a fim de garantir de alguma forma que, mesmo que um criminoso virtual obtenha login e senha de um colaborador, não consiga acessar o sistema da empresa. Isso, claro, sem que a mobilidade da nuvem seja perdida no processo.

Para isso, o método mais simples e conhecido é a autenticação em 2 etapas, que exige, além da senha, um código que é enviado para o e-mail ou o celular do usuário. Isso cria mais uma camada de proteção no controle de acesso. A partir daí, para acessar, é necessário ter, além da senha, um dispositivo pessoal do usuário ou suas credenciais de acesso ao e-mail.

Faça um gerenciamento do log da aplicação

Quase todas as aplicações em cloud contam com um log, arquivo que registra todas as movimentações, interações e ações realizadas com esse sistema. Imagine que esse log é como a caixa-preta da aplicação: no caso de qualquer problema grave, é possível analisá-lo para descobrir o que deu errado.

Mas melhor que só acessar o log quando algo tiver acontecido é criar uma rotina de gerenciamento que identifique comportamentos estranhos vindos de usuários, que fujam dos padrões previamente estabelecidos. Essa tarefa pode ser feita de forma automatizada, mas é importante que seja constante.

Escolha um fornecedor de confiança

Pesquise bastante antes de fechar em definitivo com um provedor de serviços na nuvem! Tente encontrar parceiros que sejam reconhecidos e que apresentem de forma clara e objetiva como fazem para barrar ataques. Como boa parte da segurança digital de uma aplicação na nuvem é responsabilidade do fornecedor, ele deve oferecer garantias sólidas de que investe em proteção em um nível aceitável.

Confira também a regularidade de operação desse fornecedor no Brasil. Afinal, alguns setores de negócios (como saúde e financeiro) são obrigados por lei a ter seus dados armazenados no país. Além disso, se um fornecedor não está devidamente regularizado por aqui, em caso de algum desentendimento que deva evoluir juridicamente, pode ser impossível acionar a justiça, uma vez que a empresa não existe em território nacional.

Atualize suas aplicações regularmente

Deflagrado no começo de 2017, o ransomware WannaCry deixou um rastro de prejuízos bilionários no mundo todo. Mas algumas empresas escaparam totalmente ilesas do ataque. Como isso foi possível? Simples: o WannaCry foi construído para explorar uma vulnerabilidade do Windows revelada meses antes e corrigida pela Microsoft. Assim, quem atualizou o sistema operacional não teve problemas!

Por essas e outras, é importante sempre manter seus sistemas e softwares totalmente atualizados. Lembrando que a nuvem será mais rápida em emitir correções de segurança para os programas e vale a pena aplicar as atualizações o mais cedo possível.

Conte com um plano de recuperação de desastres

Mesmo se todas ações preventivas forem feitas da maneira mais correta e ágil possível, sempre existe a chance de que uma combinação de fatores faça com que a segurança falhe em algum aspecto. E a segurança de dados é como um balão cheio de ar: mesmo que esteja totalmente íntegro, basta um único furo para que murche. Traduzindo: um erro pequeno já pode ser o bastante para comprometer todos os demais investimentos da TI.

Para assegurar a integridade dos dados da empresa, o ideal é contar com um bom plano de recuperação de desastres. Isso consiste em ter já preparado um backup e uma alternativa para que os dados perdidos por um ataque hacker ou até por uma queda de luz sejam recuperados.

Basicamente, contar com um plano de desastres significa definir ações e medidas de recuperação de dados em um (ou mais de um) backup feito com regularidade razoável. Idealmente, esse plano tem alguma redundância também na infraestrutura, permitindo que a empresa se recupere rapidamente e dê continuidade a seus serviços.

Agora que você já sabe como garantir a proteção para aplicações em cloud, que tal repassar essas dicas? Compartilhe este post com seus colegas nas redes sociais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *